Foto de um cofrinho, item fundamental para entender como administrar seu dinheiro com maestria.

Interessado(a) em conhecer uma forma muito eficiente de como administrar seu dinheiro e tornar definitivamente possível o seu enriquecimento e a concretização dos seus sonhos?

Se você respondeu sim, é porque já está convencido da importância de administrar bem suas finanças para aumentar o seu patrimônio.

Se não, sinto dizer, mas ao subestimar a importância desse hábito financeiro para o seu dia-a-dia, pode ser que você esteja perdendo muito dinheiro pelo caminho.

E eu sei o quão trabalhoso pode ser gerenciar bem o dinheiro para simplesmente deixar ele escorrer pela suas mãos.

Sei também que a tarefa de separar o dinheiro de forma eficiente pode ser complicada e por isso mesmo muitos acabam não se preocupando com isso.

Uma gestão financeira poderosa começa por identificar, principalmente, estratégias já utilizadas por grandes referências da área para entender como elas fazem e trazermos para nossa realidade aquilo que faz mais sentido.

Foi pensando nisso que trouxe a melhor estratégia que conheço para fazer com que seu dinheiro trabalhe à seu favor, criada por T. Harv Eker, escritor do livro “Os segredos da mente milionária“.

Então continue lendo para conhecer a estratégias dos potes criada por ele que fará você realmente ter o controle do seu dinheiro e acelerar o seu enriquecimento.

Estratégia dos POTES

Pote com dinheiro para ilustrar como gerenciar seu dinheiro com maestria com a estratégia dos potes.

Como mencionei anteriormente, uma das maneiras mais eficientes de aprendermos algo e termos resultados rápidos é copiando estratégias que já estão dando certo com outras pessoas.

Na PNL (Programação Neurolinguística), isso chama-se MODELAGEM.

Serve para “copiarmos” o que já está funcionando, adaptando a estratégia à nossa realidade.

Justamente por isso que eu lhe trago a ideia de T. Harv Eker, pois ele é uma das maiores referências na área de finanças pessoais no mundo.

A estratégia que ele usa é a de dividir o dinheiro mensal em potes, 6 deles para ser mais exato.

Cada pote tem um nome e serve para algo específico, como vamos ler abaixo.

Antes de descrever cada um deles, vale dizer que esses potes podem ser reais ou virtuais.

Ou seja, você pode separar seu dinheiro em potes de verdade, com tampa e tudo mais, ou virtuais, que podem ser contas bancárias, poupanças ou investimentos específicos para cada um.

Faça como for melhor para você, com exceção de alguns que mencionarei no momento oportuno.

POTE #1 – Liberdade Financeira (LF)

Dinheiro plantado no chão para dar a ideia de liberdade financeira.

Para esse pote vai 10% de toda a sua renda mensal ou anual.

É como se fosse sua galinha dos ovos de ouro, que você não deve matar nunca.

O que é colocado nesse pote não se mexe em hipótese alguma e serve para viabilizar sua Liberdade Financeira.

Isso quer dizer que é esse pote que vai, no futuro, permitir você viver de renda passiva e não depender mais de um salário, dos seus clientes ou dos lucros da sua empresa.

Tudo o que você precisa para viver virá por meio do rendimento dos seus investimentos, pingando todo mês na sua conta para ser utilizado como você quiser.

Parece interessante, não é?!

Aqui o indicativo é que você deixe o dinheiro desse pote investido em algum produto do mercado financeiro para se beneficiar do juros sobre juros (juros compostos) e acelerar sua liberdade.

POTE #2 – Poupança de Longo Prazo (PLP)

A palavra sonhos em inglês para remeter à poupança de longo prazo para o gerenciar o pote 2 do dinheiro.

Para esse pote vai 10% de toda a sua renda mensal ou anual.

Esse pote é o que vai financiar seus objetivos à médio e longo prazo.

Aquela sonhada viagem, a troca do carro, um novo imóvel, um bem que você quer muito, etc.

Indica-se ter no máximo 3 objetivos para dividir esse dinheiro e ir renovando sempre que for atingindo eles.

Apenas 3 para facilitar seu foco e o cumprimento do prazo e valor definidos.

É aqui desse pote que você pode pegar parte do dinheiro e destinar para um fundo de emergência, que servirá para arcar com qualquer despesa que fuja do script sem desequilibrar as contas mensais da casa.

Especialistas indicam ter de 3 à 12 salários atuais guardados para uma emergência.

Lembro apenas que depois que atingir sua liberdade financeira não será mais necessário esse fundo e você poderá direcioná-lo novamente para sua conta, ou melhor, para a conta da sua Liberdade Financeira.

POTE #3 – Educação (EDU)

Um livro e um óculos para lembrar que o pote 3 do gerenciamento do dinheiro é para a educação.

Para esse pote vai 10% de toda a sua renda mensal ou anual.

É ele que irá pagar seus cursos, livros, palestras e tudo o que estiver ligado ao seu desenvolvimento pessoal e profissional.

É importantíssimo que você o utilize, pois é só adquirindo novos aprendizados que você conseguirá dar um passo à frente em direção ao que você quer ser.

Invista em você porque o que lhe separa dos seus objetivos é apenas o que você ainda precisa aprender para concretizá-los.

Importante: aqui não deve entrar escola dos filhos, seja ensino normal, idiomas, kumon, etc.. Abaixo mencionarei onde isso vai entrar.

POTE #4 – Diversão (DIV)

Família fazendo compras para ilustrar o pote 4 do gerenciamento do dinheiro que é da diversão.

Para esse pote vai 10% de toda a sua renda mensal ou anual.

O dinheiro desse pote é para você torrar, utilizar em coisas que lhe dão prazer e que lhe tiram da rotina.

Sabe por que isso?

Para você se recompensar por todo o esforço de poupar para sua Liberdade Financeira (LF) e para sua Poupança de Longo Prazo (PLP).

Você merece utilizar também o seu dinheiro no hoje, para o que está acontecendo e pode ser feito na sua vida atualmente.

Junto no máximo 3 meses ante de usá-lo, pois seu cérebro precisa dessa recompensa constante para não se desmotivar a gerenciar seu dinheiro.

E não vale usar todo o dinheiro desse pote e não colocar no LF ou no PLP.

Se isso estiver acontecendo, utilize menos do DIV e compartilhe parte para os outros dois.

POTE #5 – Doação (DOA)

Pote da doação para complementar a gestão do dinheiro.

Para esse pote vai 5% ou 10% de toda a sua renda mensal ou anual.

Você que escolhe o percentual, porém, a diferença deverá ser compensada com o último pote, que falarei na sequência.

Como o próprio nome já diz, esse é o pote para você doar para outras pessoas ou instituições.

Ajudar em projetos sociais, doar para moradores de rua, comprar comida para pessoas carentes, doar para a igreja que você frequenta, etc.

Você melhor do que eu sabe o que faz sentido para você ajudar.

Importante: essa doação é em dinheiro. Se quiser doar seu tempo também, EXCELENTE, mas não contabilize junto.

Aqui entra uma lei universal, ou divina, de dar para receber.

Dá para se receber mais, para doar mais, para receber mais, e assim vai…

Isso é fundamental para manter o fluxo de dinheiro corrente e intenso na sua vida.

POTE #6 – Necessidades (NEC)

Casal pagando as contas juntos e ilustrando o último pote da gestão do eficiente do dinheiro, das necessidades.

Para esse pote vai 55% ou 50% de toda a sua renda mensal ou anual.

O percentual depende de quanto você está doando.

Se doar 5%, terá 55% para necessidades. Se doar 10%, terá 50% para necessidades.

Entenda necessidades como tudo aquilo que é essencial para manter seu dia-a-dia e também suprir seu estilo de vida.

Aluguel, financiamento imobiliário, plano de saúde, alimentação, transporte, telefone, internet, roupas, restaurante do dia-a-dia, lanches, remédios, serviços como psicólogo ou coaching, impostos, escola dos filhos, presentes, condomínio, água, luz, gás, despesas bancárias, etc.

Tudo aquilo que faz parte da sua rotina, mesmo que não diariamente, e que não se enquadra nos potes anteriores.

Resumo de como administrar seu dinheiro

Gerenciar dinheiro com maestria.

Resumindo, temos 6 potes nos quais dividimos nosso rendimento mensal ou anual.

Importante: se você for autônomo e tiver uma renda picadinha ao longo do mês, separe em potes o que você ganha num dia, numa semana ou quinzenalmente. Escolha a forma de acordo com o seu volume de entradas, e separe.

Os potes e os percentuais para cada um são:

  1. LF (Liberdade Financeira) -> 10% da renda;
  2. PLP (Poupança de Longo Prazo) -> 10% da renda;
  3. EDU (Educação) -> 10% da renda;
  4. DIV (Diversão) -> 10% da renda;
  5. DOA (Doação) -> 5% ou 10% da renda;
  6. NEC (Necessidades) -> 55% ou 50% da renda.

Faça isso e colha os resultados em 3 meses ou menos.

Se duvidar da efetividade desse método, experimente antes de duvidar.

E se ainda estiver com preguiça de gerenciar seu dinheiro pensando que vai ser muito trabalhoso comprar os potes ou abrir as contas no banco e ter que separar o dinheiro, saiba que só enriquece quem cuida com muito carinho das suas finanças.

Ou você pensa que uma árvore dá frutos sem que receba sol, água e nutrientes?

É necessário cuidado para frutificar, e quanto antes você começar, antes colherá os frutos.

Dica para que o dinheiro não seja mais motivo de briga em casais

Dica para gerenciar dinheiro em casais, para evitar brigas.

Vai dizer que nunca rolou uma “conversa mais acalorada” em sua casa por causa de dinheiro?

Alguém aí já se sentiu injustiçado por pagar mais contas da casa enquanto o outro compra o que quer sem perguntar se precisa de ajuda?

Geralmente tem um do casal que é mais poupador e fica dando indireta que o outro anda “gastando” muito, não é?!

Essas situações parecem familiares para você? Pois saiba que são comuns na maioria dos lares.

E é para eliminar de vez essas “encrencas” que eu dou essa dica para você, aprendida com Doug Nelson no curso Millionaire Mind Intensive que fiz com ele.

Independente de como funciona na sua casa hoje, juntem tudo o que recebem numa conta só. Isso mesmo!

Sem segredos de quanto cada um ganha ou paga em contas.

Para que separar em duas contas o dinheiro que é para a família? Não parece lógico.

Aqui você já tem o primeiro benefício: reduz as despesas com manutenção de pelo menos uma conta.

Juntado tudo, agora é que a mágica acontece.

Separem um valor igual do montante total (renda dos dois somada) para cada um do casal.

Não tem regra ou limite para isso, no entanto, é indicado que o valor dado aos dois não supere 15% da renda, pelo menos enquanto o casal ganhar menos que R$ 10.000,00 por mês.

Exemplo: a renda mensal do casal é R$ 7.000,00; cada um recebe R$ 500,00 por mês. Com isso, sobra R$ 6.000,00 para a família, certo?

R$ 7.000,00
– R$ 500,00 (para um(a) do casal)
– R$ 500,00 (para outro(a) do casal)
————-
R$ 6.000,00

Esses R$ 500,00 que cada um recebeu é para cada um usar como quiser, sem ter que justificar R$ 0,01 para o(a) parceiro(a).

É para você ter aquele sentimento de liberdade e de que pode tudo, sabe? Sem ter que justificar nada.

Pode, inclusive, dividir esses seus R$ 500,00 nos potes PLP, EDU, DIV e DOA.

Um pouco em todos, ou tudo em um só, tudo só para você.

Os R$ 6.000,00 que sobraram é que entram na divisão dos potes e irão garantir a Liberdade Financeira, o cumprimento dos objetivos e o dia-a-dia da família.

Se seu rendimento for maior ou menor, faça de acordo com o que for melhor para sua realidade.

Para facilitar o entendimento de toda essa dinâmica de potes e da gestão de dinheiro em casa, elaborei um eBook completo sobre o assunto e você pode adquirir ele clicando aqui.

Conclusão

Como gerenciar dinheiro com maestria.

Aproveite esse momento, sim, agora, para começar a colocar sua vida financeira nos trilhos.

Ou vai esperar um momento ideal que nunca vai chegar?

Apesar da enorme ajuda que essa metodologia dos potes pode te dar, lembre-se sempre que ela só vai funcionar se você agir e colocar ela em prática.

De nada adianta conhecê-la e não fazer nada com isso.

No começo pode ser um pouco trabalhoso, mas você verá que em 2 ou 3 meses já estará voando alto com a gestão do seu dinheiro.

Por isso, meu conselho final é: COMECE logo!

E então, quais os desafios que você enfrenta hoje para descobrir como administrar seu dinheiro com qualidade e inteligência? Deixe seu comentário aqui abaixo.